fbpx

controle emocional

18 03, 2014

Colocando as “barbas de molho”

2014-03-18T18:09:16+00:00

Por Suely Buriasco

suelyDe quando em quando nos deparamos com acontecimentos que nos intrigam por não conseguirmos compreender. Como alguém pode simplesmente ter vontade de jogar uma pessoa que sequer conhece nos trilhos do metrô? Deu vontade… Como assim? E como uma pessoa considerada tranquila pode surtar e de repente matar e cometer suicídio? E o pior de tudo, como esses surtos têm se tornado cada vez mais comuns? Realmente assustador!

O estresse do mundo atual, as responsabilidades que se multiplicam e o despreparo emocional para lidar com as adversidades são importantes fatores nessas situações. As pessoas, sem dúvida, estão vivendo de forma atribulada e ao se envolverem cada vez mais nisso abalam as próprias estruturas emocionais e físicas. Não é por menos que a depressão tem sido apontada há algum tempo como a doença do século.

Claro que não temos a pretensão de analisar nenhum caso em particular, muito menos a questão patológica, mas penso que acontecimentos assim correspondem a um convite para reflexão.  É relevante entender como estamos lidando com as nossas frustrações e qual o nível de estresse que estamos suportando. Quando levamos a vida “no automático” não paramos para observar o que tem nos movido ou afetado e nos colocamos em situação de risco. Isso me lembra do filme “Um dia de Fúria”: até que ponto estamos em condições de manter o controle? Se não aprendemos a nos controlar nas pequenas coisas, dificilmente estaremos aptos a manter o equilíbrio diante de situações cruciais.

Ainda nessa linha é interessante observar reações estranhas nos que covivem conosco. Doenças como a depressão costumam ter diagnóstico tardio porque as pessoas demoram a perceber seus sintomas tanto em si mesmas como nos outros. Acredito que uma ação segura nesse sentido seria efetivamente darmos um tempo para nós mesmos e para os que estão em nosso redor. Isso equivale a ter o intuito sincero de analisar nossos comportamentos e atitudes na própria vida e voltar, igualmente, nosso olhar para o outro no sentido de compreender melhor as suas necessidades.

Pequenas ações colaboram efetivamente para que decidamos agir em favor de cultivar dias mais promissores, onde sobrepor o “ser” ao “ter” não seja mera teoria. Viver o que é primordial, olhar nos olhos, tocar, conversar, sorrir e gargalhar com mais frequência não podem ser preteridos pelo acúmulo de funções que nos impomos frequentemente. Equilíbrio emocional tem a ver com estar em plenitude com as próprias necessidades e solidários às necessidades dos que nos rodeiam.

Com certeza nada disso pode nos livrar do surto alheio, tampouco pode nos fazer antever acontecimentos tão sombrios, também não seria nada saudável viver assustado. Todavia, segundo um ditado popular antigo “quando a barba do vizinho pega fogo, melhor colocar a nossa de molho”. Assim, vale fazer o que está em nosso alcance cuidando de nosso próprio equilíbrio emocional e contribuindo o máximo possível para que haja harmonia no ambiente em que vivemos.

 

Colocando as “barbas de molho”2014-03-18T18:09:16+00:00
WhatsApp chat