fbpx

pais e filhos

9 01, 2021

Meu filho não me ouve!

2021-01-09T23:45:13+00:00

Escuto muitos pais fazerem reclamações do tipo: “meu filho não me ouve” e “minha filha me ignora”. Essa parece mesmo ser uma constatação comum. Existem vários motivos pelos quais uma criança e adolescente pode tomar a atitude de ignorar o que dizem os pais. De forma geral podemos apontar duas situações: pode ser que seu filho esteja focado em outra coisa e pode ser que você esteja sendo repetitivo.

Se essa situação tem sido constante é importante observar algumas estratégias capazes de mudar isso:

  • Olho no olho: Fique cara a cara com o seu filho ou filha e peça-lhe que olhe diretamente para você enquanto conversam. É importante que estejam na mesma altura. Faça isso de forma generosa e afetiva, assim, além de alcançar o seu objetivo, ainda vai ensinar-lhe boas maneiras e respeito ao outro.
  • Ouça com atenção: Alguns pais fazem verdadeiras palestras, falam sem parar e não escutam. Toda pessoa precisa ser ouvida para ser compreendida. Por mais que o assunto lhe pareça desinteressante, muitas vezes, pode lhe trazer pistas sobre seu filho e como agir com ele. Se você tem o hábito de ouvir seu filho quando ele fala, é mais provável que ele faça o mesmo quando você falar com ele.
  • Seja menos crítico: Repare se não tem exigido muito. Você conversa sobre tudo com seus filhos ou só sobre o que ele precisa fazer, sobre o que não faz e sobre o que deveria fazer? Muita cobrança afasta. Procure elogiar mais, elevar as qualidades, conversar sobre banalidades e sobre o que é do interesse dele. Isso fará grande diferença no momento em que tiver que cobrar algo. Disciplina também é manifestação de afeto.
  • Mantenha a calma: Por mais estressante que seja, brigas e gritos só pioram as coisas. Perdendo o equilíbrio ensina o seu filho o que fazer para desestabilizar você e levar vantagem. E olha que eles são bons nisso! Acredite; gritos podem até lhe dar resultados na hora, mas, certamente, perdem a eficácia com o tempo.
  • Dê um toque de humor: Mudar a dinâmica de interação pode ser muito produtivo, então, que tal deixar a conversa mais leve? Use sua imaginação para encorajar a cooperação dele em vez de fazer exigências. Pode dar mais trabalho inventar uma brincadeira do que efetivamente mandar fazer, mas o resultado, certamente, será compensador.

Construir bons hábitos de comunicação é um processo lento no qual a persistência é fundamental. Não espere que seu filho sempre lhe obedeça na primeira vez que você diz algo; trabalhe com ele habilidades de escuta. Dessa forma, construirão juntos um relacionamento seguro e harmonioso.

Meu filho não me ouve!2021-01-09T23:45:13+00:00
31 07, 2020

Você é um bom pai?

2020-08-01T03:03:00+00:00

O papel dos pais tem mudado muito em nossa sociedade; hoje é possível observar que fazem questão de participar de forma ativa na educação e cuidados com os filhos. Claro que não existe pai perfeito, mas algumas atitudes são fundamentais.

Presença é mais que proximidade

Não se trata apenas de estar junto, mas acompanhar e participar da vida do seu filho, construindo elos de confiança e afetividade. Carinho, atenção são essenciais e contribuem para efetivar uma relação amorosa entre você e ele.

Ser autoritário não, ter autoridade sim

Não se trata de ser autoritário, mas de ter autoridade. É importante manter o poder paterno que faculta, entre outras coisas, a segurança que sua criança precisa. A relação afetiva e amigável com o seu filho não deve fazer com que você se torne excessivamente permissivo.

O exemplo é o que se impõe

Como todo educador, o pai deve estar atento aos exemplos que transmite. Bom lembrar que um bom pai é, necessariamente, um bom homem, um bom cidadão. Suas ações sempre serão muito mais efetivas do que suas palavras. O que você fala para seu filho é tido como certo; se você fala e não age, ele perderá a confiança em você.

Diálogo é construção de amor

Desde as primeiras fases da vida de seu filho acostume-se a falar com ele, assim, conforme ele cresce, cria o hábito de conversar com você. Elogie mais e critique menos. Dando ênfase ao que seu filho faz de bom você o tornará mais acessível quando precisar ouvir críticas. Pais que só criticam criam barreiras, muitas vezes intransponíveis, entre eles e os filhos.

Autenticidade é fonte de respeito

É essencial que seu filho reconheça a sinceridade em seus atos e palavras. Mesmo que possa parecer duro em algumas situações, a sua autenticidade fará de você um pai respeitado e justo. Assim, quando errar, peça desculpas, exemplifique humildade. Dessa forma ele crescerá sabendo que você pode errar, mas aceita isso e busca se redimir.

Algumas situações na vida não podem ser mudadas, não importa quanto você se esforce. O importante é que seu filho perceba que você procura sempre dar o melhor de si por amor a ele.

Espero que você possa responder “sim” à pergunta do título e que, então, tenha um Feliz Dia dos Pais!

Você é um bom pai?2020-08-01T03:03:00+00:00
29 01, 2018

Diálogo – Ferramenta de Combate á Violência

2018-01-29T20:39:21+00:00

Suely Buriasco

A omissão dos pais em relação a qualquer problema que se refira aos filhos é gravíssima. Ninguém pode educar se omitindo; mas as palavras e atitudes impensadas na hora de repreender um jovem, uma criança, são extremamente prejudiciais, principalmente quando insuflam a violência.

É importante observar o comportamento do jovem em casa e na escola, principalmente quando ele apresenta alguns sinais de agressividade, quando reage com impaciência e grande excitação às situações corriqueiras; quando expressa violência contra amigos e familiares e age sem sentir-se culpado. Esses são fortes indícios de que existem problemas que merecem muita atenção.

Por não ter uma mente formada e ideias próprias, crianças e adolescentes podem ser influenciados pelos amigos ou mesmo pela mídia: novelas, jogos e etc. Isso pode fazer com que eles desenvolvam um comportamento agressivo, aderindo a essas influências sem pensar nas consequências.

Nesse momento o papel do diálogo no lar é de extrema importância. Não adianta simplesmente proibir o contato com determinadas pessoas, ou proibir jogos de videogame, ou algum tipo de filme; a conversa esclarecedora, explicar os motivos e ouvir do jovem o que ele pensa sobre aquilo é fundamental e fará total diferença.

Diante da manifestação violenta dos filhos é imprescindível saber agir da maneira certa, dentro de alguns limites que definem o diálogo como instrumento de entendimento. Esse limite é a mansuetude que é a verdadeira autoridade. Pais que possuem autoridade não gritam, não fazem chantagem, não são violentos, muito menos humilham seus filhos. Cobram com calma e determinação e são respeitados.

Às vezes, os pais sentem que o diálogo não surte efeito e tornam-se impacientes, mas é de extrema relevância que compreendam que a violência nunca é recomendável; quando os pais partem para a agressividade é porque já perderam a razão.

Pais agressivos alimentam a agressividade dos filhos. Quando o diálogo é dificultado e os pais sentem que não está dando resultado, o melhor é dizer ao filho que vai pensar sobre o que está acontecendo e pedir que ele faça o mesmo. Nesse ínterim é importante analisar o que não está funcionando e mudar antes de uma nova conversa. O diálogo sempre dá resultado, a forma de dialogar é que pode não estar funcionando.

E é preciso lembrar ainda que os pais são exemplos para os filhos, afinal, a fruta nunca cai muito longe do pé!

O primeiro contato de uma criança com o mundo é através dos pais, é neles que ela se espelha no início da vida.

Por isso, a postura de você que é pai, que é mãe, precisa ser sempre educativa, esclarecedora. Impor limites sim, mas com disciplina e afeto.

 

 

 

Diálogo – Ferramenta de Combate á Violência2018-01-29T20:39:21+00:00
6 11, 2014

Diálogo: ferramenta no combate à violência

2014-11-06T21:26:03+00:00

Por Suely Buriasco

suelyA omissão dos pais em relação a qualquer problema que se refira aos filhos é gravíssima. Ninguém pode educar se omitindo; mas as palavras e atitudes impensadas na hora de repreender um jovem, uma criança, são extremamente prejudiciais, principalmente quando insuflam a violência.

É importante observar o comportamento do jovem em casa e na escola, principalmente quando ele apresenta alguns sinais de agressividade, quando reage com impaciência e grande excitação às situações corriqueiras; quando expressa violência contra amigos e familiares e age sem sentir-se culpado. Esses são fortes indícios de que existem problemas que merecem muita atenção.

Por não ter uma mente formada e ideias próprias, crianças e adolescentes podem ser influenciados pelos amigos ou mesmo pela mídia: novelas, jogos e etc. Isso pode fazer com que eles desenvolvam um comportamento agressivo, aderindo a essas influências sem pensar nas consequências.

Nesse momento o papel do diálogo no lar é de extrema importância. Não adianta simplesmente proibir o contato com determinadas pessoas, ou proibir jogos de videogame, ou algum tipo de filme; a conversa esclarecedora, explicar os motivos e ouvir do jovem o que ele pensa sobre aquilo é fundamental e fará total diferença.

Diante da manifestação violenta dos filhos é imprescindível saber agir da maneira certa, dentro de alguns limites que definem o diálogo como instrumento de entendimento. Esse limite é a mansuetude que é a verdadeira autoridade. Pais que possuem autoridade não gritam, não fazem chantagem, não são violentos, muito menos humilham seus filhos. Cobram com calma e determinação e são respeitados.

Às vezes, os pais sentem que o diálogo não surte efeito e tornam-se impacientes, mas é de extrema relevância que compreendam que a violência nunca é recomendável; quando os pais partem para a agressividade é porque já perderam a razão.

Pais agressivos alimentam a agressividade dos filhos. Quando o diálogo é dificultado e os pais sentem que não está dando resultado, o melhor é dizer ao filho que vai pensar sobre o que esta acontecendo e pedir que ele faça o mesmo. Nesse ínterim é importante analisar o que não está funcionando e mudar antes de uma nova conversa. O diálogo sempre dá resultado, a forma de dialogar é que pode não estar funcionando.

E é preciso lembrar ainda que os pais são exemplos para os filhos, afinal, a fruta nunca cai muito longe do pé!

O primeiro contato de uma criança com o mundo é através dos pais, é neles que ela se espelha no início da vida.

Por isso, a postura de você que é pai, que é mãe, precisa ser sempre educativa, esclarecedora. Impor limites sim, mas com disciplina e afeto.

Diálogo: ferramenta no combate à violência2014-11-06T21:26:03+00:00
29 11, 2013

Superar conflitos familiares na noite de Natal

2013-11-29T12:31:21+00:00

Com a proximidade das festas de final de ano surgem alguns conflitos familiares. No programa Compartilhe do dia 26 de dezembro a mediadora de conflitos Suely Buriasco responde a uma telenauta que não se relaciona bem com o irmão e que eles vão se encontrar na noite de Natal na casa da mãe. Como agir?
Ouça o comentário de Suely Buriasco.
O programa Compartilhe vai ao ar às terças-feiras, das 11hs às 12hs, na TVABCD. www.tvabcd.com.br

Superar conflitos familiares na noite de Natal2013-11-29T12:31:21+00:00
18 01, 2013

Conflito com filho de 30 anos

2013-01-18T17:05:54+00:00

Quadro “Mediando com Suely Buriasco” que foi ao ar na terça-feira, dia 15 de janeiro, no programa MegaSucesso que vai ao ar pela TVABCD (www.tvabcd.com.br).
Suely Buriasco respondeu a seguinte questão: “Olá Suely. Tenho vivido um drama em casa e talvez você possa me ajudar: tenho um filho de 30 anos que ainda mora em casa, isso não seria um transtorno se ele não agisse como se fosse o dono da casa, inclusive trazendo mulheres. Minha mulher e eu brigamos muito, porque ela tenta sempre acobertar tudo o que ele faz.”

Conflito com filho de 30 anos2013-01-18T17:05:54+00:00
17 01, 2012

Como pais e educadores podem utilizar o BBB para se aproximar dos jovens?

2012-01-17T14:27:18+00:00

O Big Brother inicia sua versão 2012 e reacende a polêmica entre pais e educadores: como evitar que o programa influencie negativamente nossos jovens?
Não há como negar que todo o ambiente da casa é moldado para atrair e instigar anseios; os detalhes da arquitetura e decoração são realmente sedutores. Tem ainda o clima de competitividade que gera tanta discussão e fomenta opiniões; tudo muito atraente. No entanto, junto a esse aspecto vem a questão de que os exemplos exibidos pelos participantes não são, digamos, o que muitos pais gostariam que seus filhos presenciassem e é ai que começa a polêmica. Então o que fazer?
Sei de pais que optam por proibir seus filhos adolescentes a assistir o programa em casa, entretanto, proibir também é um grande incentivo. Sem contar que existe a internet, as chamadas em outros horários, as conversas com os amigos… Pela proporção que atinge, acho que o assunto merece uma maior reflexão. Se você gostaria, mas não consegue manter seus filhos alheios aos apelos do Big Brother, já pensou em se aliar a eles acrescentando coisas produtivas ao programa? Usá-lo como âncora para trocar idéias sobre valores morais e éticos pode ser uma forma interessante de estabelecer uma conversa com eles.
Os filhos são do mundo e é importante que estejam em sintonia com a realidade, assim, uma boa forma de prepará-los é estabelecer um diálogo produtivo sobre o que presenciam. Mas é preciso que estejamos atentos que dialogar não é falar, criticar e impor opiniões; um diálogo verdadeiro pressupõe respeito mútuo. Se você apenas criticar o que fez esse ou aquele participante vai se tornar um chato e suas opiniões não serão levadas em conta. Mas você pode pensar numa maneira de colocar em discussão suas opiniões sem parecer que ferem as deles, afinal, é preciso levar em consideração a tendência dos adolescentes em desenvolver um pensamento de grupo. Fazer perguntas ao invés de afirmações pode ser muito produtivo nesse sentido; pois perguntas fazem pensar e mesmo que haja uma negação instantânea, as dúvidas permanecerão e podem ser muito positivas.
Penso que o relevante dessa questão é encontrar algo produtivo, mesmo no que consideramos de total improdutividade. Assim, transformar a polêmica num espaço fértil de entrosamento entre pais e filhos é tirar proveito da ocasião a favor da união familiar e da educação. Uma hora de diálogo é muito mais eficaz do que qualquer discurso; num espaço entremeado de humor tem resultados melhores ainda.

Como pais e educadores podem utilizar o BBB para se aproximar dos jovens?2012-01-17T14:27:18+00:00
9 08, 2011

Confira as imagens de Suely Buriasco no programa A Tarde é Show

2011-08-09T21:41:11+00:00

Confira as imagens da participação de Suely Buriasco no programa A Tarde é Show da Rede Brasil de Televisão, apresentado por Nany Venâncio. Na ocasição Suely falou sobre o diálogo entre pais e filhos à respeito da primeira vez.

[nggallery id=7]

Confira as imagens de Suely Buriasco no programa A Tarde é Show2011-08-09T21:41:11+00:00
WhatsApp chat