fbpx

respeito

1 11, 2021

É melhor dar um tempo?

2021-11-01T15:39:10+00:00

Diante de crises contínuas, algumas pessoas pensam em dar um tempo no relacionamento amoroso com a ideia de se afastar para acalmar os ânimos. Seria algo como respirar ares distintos para sentir se vale à pena continuar ou se o melhor é romper definitivamente. Uma pausa… um momento de reflexão. Não há dúvidas de que essa é uma decisão muito delicada e jamais deve ser tomada no afã das emoções. Até porque, na maioria das vezes, a ideia parte apenas de um dos cônjuges e isso fatalmente causará maior abalo na relação.

Quando um casal chega ao ponto de pensar na possibilidade da separação, mesmo que momentânea, já houve muito desgaste e graves desentendimentos. Manter a serenidade não é tarefa fácil em situações em que as emoções estão exacerbadas, o envolvimento intenso da pessoa compromete o seu discernimento. É bom que se tenha em mente que qualquer atitude precipitada pode trazer resultados totalmente adversos e piorar ainda mais a situação. Portanto, todo o esforço em manter o equilíbrio emocional é altamente recomendável.

Em alguns casos a distância pode ser uma boa solução para superar um momento crítico, mas vale considerar que trata-se de uma atitude radical e, como tal, terá consequências. Principalmente se o casal tem filhos é fundamental que leve em consideração que todo o universo familiar vai sofrer uma transformação, portanto, esse deve ser um ato responsável e muito bem pensado. Uma reflexão importante a fazer antes de pedir um tempo ao cônjuge é avaliar que o parceiro, considerando seu pedido como um fim, pode aproveitar esse período para reformular a própria vida e, talvez, essa relação deixe de fazer sentido para ele. Quem pede um tempo tem que prever a possibilidade de se arrepender e perder a chance de voltar.

Entretanto, o mais importante a ser considerado é se ainda existe um sentimento afetivo ligando o casal, em caso afirmativo talvez seja melhor e menos traumático buscar uma solução conjunta. Claro que certa distância emocional é importante para restabelecerem a calma e elaborarem mudanças necessárias na relação. É essencial buscar momentos de calma para um diálogo respeitoso e maduro; elaborar estratégias para surpreender positivamente o outro e agradar a ambos.

Se o amor ainda prevalece, assim como o respeito, a admiração e a vontade de melhorar o relacionamento, penso que não há sentido em abrir maior espaço para discórdia e desunião. Buscar ajuda profissional para superar a crise juntos, dedicando-se um ao outro, certamente, fortalecerá a união e trará maior alegria e realização ao casal.

É melhor dar um tempo?2021-11-01T15:39:10+00:00
26 07, 2020

A Fábula do Porco-espinho

2020-07-26T20:34:09+00:00

Conta-se uma história que no norte do planeta, durante um inverno rigoroso, vários animais para não morrer de frio se juntavam em bandos a fim de aquecer-se. O mesmo aconteceu com os porcos-espinhos, entretanto, diante da proximidade com os de sua espécie, acabavam machucando uns aos outros.  Alguns resolveram se separar; mas que triste idéia! Isolados morreram congelados. Os que se dispuseram a estar juntos passaram a ter cuidado para não machucar seus companheiros e sobreviveram ao frio. Usando de uma analogia bastante simples é possível refletir sobre nós, seres humanos, que ao interagir com nossos semelhantes acabamos, muitas vezes, nos ferindo mutuamente. Nossos “espinhos” podem até não serem tão visíveis quanto os do animal da história, mas não provocam menos estragos; refiro-me às imperfeições humanas.

Somos seres sociais, necessitamos, pois, do convívio com os nossos iguais a fim de progredirmos. Tanto é assim que um bebê humano é totalmente dependente, todo o seu desenvolvimento, desde o básico de falar e andar, por exemplo, é fruto do convívio com os mais velhos. Quando adultos além da dependência emocional, precisamos de outras pessoas que sequer conhecemos, afinal alguém trabalhou para que estivéssemos vestidos, calçados, tivéssemos um lugar para morar e tantas outras coisas que muitas vezes fazemos uso sem lembrar que nos foi propiciado pelo trabalho humano. Somos inegavelmente dependentes uns dos outros, mas, na prática, parece que nos esquecemos disso.

Não entendemos ainda essa nossa necessidade de vivermos em grupo. Mesmo nas famílias, as células da sociedade, as dificuldades de relacionamento se avolumam. Tudo porque não tomamos o devido cuidado para que nossos desajustes não provoquem sofrimento no próximo. Cheios de razão, optamos sempre por apontar o “espinho” alheio e as feridas que portamos; mas esquecemos de olhar as chagas que provocamos no outro. Enquanto agirmos dessa forma continuaremos disseminando a dor e o desconforto para nós mesmos e para nossos semelhantes. Por consequência nos sentiremos sozinhos e infelizes, correndo grave risco de não sobreviver ao “inverno” de nossas vidas.

Sejamos inteligentes e nos unamos para superar o frio moral que vem alastrando nosso mundo. Cuidemos, cada um, para que nossos “espinhos” não provoquem mais danos em nossa sociedade.

A Fábula do Porco-espinho2020-07-26T20:34:09+00:00
16 03, 2020

O que podemos aprender com a Pandemia do Coronavírus

2020-03-17T21:26:02+00:00

Suely Buriasco

Em entrevista à CNN Brasil o Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta afirmou que a pandemia não é um jogo, não haverá ganhadores e que o mundo sairá “diferente”. Essa fala me impactou de forma efetiva e me fez pensar no que depende de cada um de nós para que essa diferença seja positiva, embora tantos prejuízos e sofrimentos.

Higiene

Todo mundo sabe que a boa higiene é imprescindível para manter a saúde, mas será que levamos isso com seriedade? Uma senhora lavando as mãos do meu lado num banheiro de aeroporto sorriu e me disse: “Eu não aguento mais lavar tanto as mãos”. Eu pensei: “Não lavava antes?” Melhorar os cuidados com a nossa higiene pessoal, bem como com o nosso ambiente, é um aprendizado efetivo com ou sem o Coronavírus.

Disciplina

Obedecer regras, nesse caso, protocolos estabelecidos pelos profissionais de saúde de forma sistemática é de suma importância para deter o avanço da epidemia. Persistência e constância no conjunto de medidas e comportamentos sugeridos por especialistas pode ser o marco divisor desse período. A disciplina é de extrema importância em qualquer processo de mudança e superação. Certamente, um ótimo aprendizado de vida.

Equilíbrio

Não há razão para pânico que só piora qualquer situação, inclusive baixa a imunidade, mas todo cuidado é essencial. Vale lembrar a importância de buscar informações verdadeiras, sempre checando fontes. Manter o equilíbrio diante das crises é fundamental para a superação. Desenvolver a Inteligência emocional e manter a serenidade farão real diferença agora e no futuro.

Responsabilidade

Toda esse crise é mundial, representa um todo, mas ao mesmo tempo chama cada um a participar ativamente contra essa epidemia. Não basta que o Estado se comprometa em ações pertinentes, precisamos nos unir através de atitudes condizentes. Assumir responsabilidades sociais, exigindo mudanças de comportamentos que vão muito além do cuidar de si próprio é redescobrir a solidariedade. Grande ganho!

Diante da dor somos mais suscetíveis a buscar a espiritualidade. Quem sabe seria interessante aprendermos que a fé é uma filosofia de vida e não algo que se procure apenas nos momentos difíceis?

Eu fiz uma pequena lista, você pode ampliá-la e juntos somar forças. Vamos lá?

O que podemos aprender com a Pandemia do Coronavírus2020-03-17T21:26:02+00:00
6 08, 2018

A família e a harmonia interior

2018-08-06T22:44:28+00:00

Suely Buriasco

Entre os elementos fundamentais na satisfação do ser humano, a família tem, sem qualquer dúvida, papel de grande relevância. E não é de se espantar, afinal é no grupo familiar que buscamos a paz que precisamos para enfrentar as asperezas do mundo.

Só que, infelizmente, nem sempre as coisas são assim; o aconchego familiar tem sido comumente minado pela incompreensão e intolerância. Na falta de análise sobre o que realmente é importante na vida, muitas pessoas se revoltam e comprometem a tranquilidade familiar.

Muitas vezes, não basta ter razão; é preciso compreender as diferenças de entendimento e até o nível de consciência de cada um e conciliar a situação, mesmo que para isso seja necessário distanciamento. Afinal, a grande vantagem não é ter razão e sim promover a harmonia familiar. É preciso ter em mente que mesmo você considerando uma verdade, ela pode não ser assim para os outros membros e é preciso aprender a lidar com isso.

O respeito às diferenças é fundamental para o bom convívio com qualquer pessoa, mas especialmente em família. É mais fácil respeitarmos pessoas estranhas; difícil é considerar as que temos maior intimidade. Conviver com pessoas que pensam de outra forma é um desafio que precisa ser enfrentado com muita coragem. Trata-se de tolerar a cada dia atos e palavras com os quais você não concorda e mesmo assim não se deixar contaminar ou ofender. Muitas vezes é ter mesmo um olhar de compreensão para o que não se aceita.

Desenvolver a amizade pelas pessoas que amamos é um ótimo ingrediente para a tranquilidade familiar. A amizade inspira a compreensão que necessitamos e promove o entendimento, criando elos empáticos capazes de transformar as relações. Não podemos mudar as outras pessoas, mudanças só se operam de dentro para fora, no entanto, sempre será possível inspirar boas reflexões nesse sentido. Isso é muito mais que um direito; é, sobretudo, um dever.

Quando concluímos o quanto a harmonia familiar nos fortalece e revigora diante do torvelino da vida, entendemos que cuidar dessas relações é cuidar de nós mesmos!

A família e a harmonia interior2018-08-06T22:44:28+00:00
28 05, 2018

Desista de mudar os outros

2018-05-28T23:12:09+00:00

Suely Buriasco

Uma mãe me manda um e-mail desesperado, diz que é divorciada e vive só, não pode conviver com os dois filhos; o mais velho é casado, a nora não deixa que ele a procure e o mais novo vive com o pai que o proíbe de visitá-la. Eu lhe respondo:

De forma geral posso dizer que você não pode mudar os outros, então seria interessante analisar o que pode ser mudado em você para que o seu relacionamento com os filhos mude. Pense em estratégias que possam fazer seus filhos se aproximarem de você. Deixe de procurar culpados e opere as mudanças que você pode fazer, ou seja, em você mesmo.

Ela agradeceu minha atenção, mas disse que não adiantava fazer nada.

Esse é só um exemplo entre muitos que não nos cabe julgar, mas analisar visando nossa própria melhoria. Quando o ponto é reconhecer as próprias responsabilidades diante dos conflitos, algumas pessoas tendem a negar como se não houvesse nada a ser feito. É o tão famoso “não adianta”, para ocultar o receio e mesmo a falta de vontade para abordar outras possibilidades, até porque isso significa assumir o que lhe cabe na situação, já que ninguém entra em conflito sozinho.

Mas o fato é que você não pode mudar os outros, não pode fazer com que eles entendam as situações conforme o seu próprio entendimento, muito menos exigir que eles tomem qualquer medida que, a seu ver, resolveria o problema. Entretanto, você pode fazer muito pelo seu relacionamento com as pessoas, desde que assuma seus próprios erros e enganos, que respeite a maneira do outro ser e se manifestar e, finalmente, que se desfaça do orgulho exacerbado. Enquanto manter inflexível a sua posição, não admitindo outras formas de pensar e agir, você vai sofrer a ausência das pessoas que ama e viver a solidão dos intolerantes.

Não vale à pena sofrer e negar o sofrimento não livra você dele; a vida nos dá muitas oportunidades felizes, mas a maior delas é, sem dúvida, conviver com nossos afetos. Problemas nos relacionamentos são comuns e devem ser solucionados o quanto antes, para que as mágoas não causem ainda mais dor.

Portanto diante de conflitos no relacionamento deixe de gastar energia procurando culpados, julgando e condenando as pessoas. Pare de sofrer, foque no que você pode fazer e mude as suas atitudes. Afinal, você não precisa concordar com o outro ou agir da forma que ele quer; você só precisa respeitá-lo.

Pense: se você fizer a sua parte, no mínimo, a metade da questão já estará resolvida. É uma boa porcentagem, não acha?

Desista de mudar os outros2018-05-28T23:12:09+00:00
6 02, 2017

A empatia na comunicação inteligente

2017-02-06T12:46:26+00:00

Suely Buriasco

Um dos fatores predominantes na construção de conflitos é a maneira como as pessoas expõem seus próprios pontos de vista. Isso é tão interessante que, muitas vezes, duas pessoas se desentendem mesmo pensando da mesma forma sobre alguma razão. Na verdade, o que determina o grau de entendimento é a forma pela qual a comunicação é desenvolvida, ou seja, não é tanto o que se fala, mas como se fala.

A imposição dos próprios valores é um grande entrave nos relacionamentos, pois, representa o desrespeito aos valores alheios. Julgando e rotulando pessoas acabamos por marginalizá-las, conferindo-lhes um lugar perpétuo imposto simplesmente pela discordância de ideias. Dessa forma não é possível desenvolver uma comunicação eficaz, muito menos manter um relacionamento saudável.

Pela empatia abrimos novas alternativas e intensificamos as possibilidades de entendimento com as pessoas que, de alguma forma, convivem conosco. Afinal, a empatia nos inspira a dar significado aos sentimentos e convicções alheias. Isso é engrandecedor, pois amplia nossa habilidade de entender e se fazer entendido socialmente.

A comunicação empática tem por consequência melhorar nossa aptidão em construir bons relacionamentos, estabelecidos não simplesmente pela afinidade de pensamentos, mas substancialmente na consideração e respeito ao outro. Trocando em miúdos; você pode se relacionar bem com qualquer pessoa, mesmo que ela pense muito diferente de você. Não se trata de mudar as próprias concepções, mas essencialmente de permitir que as outras pessoas também tenham as suas e, mais ainda, que tenham esse direito, assim como você mesmo.

Ao compreendermos sentimentos que não são nossos, envolvemo-nos na compaixão e desbloqueamos os canais de transmissão e recepção das mensagens. Assim entendemos que, na maioria das vezes, o que impera nos conflitos de relações não é o “certo ou o errado”, mas sim o “diferente”. Assim, acabamos por usar as diferenças a favor da harmonia, nisso reside um grande crescimento pessoal que, fatalmente, terá reflexo em todos os níveis de nossa vida.

 

 

A empatia na comunicação inteligente2017-02-06T12:46:26+00:00
28 03, 2016

Não suponha, pergunte

2016-03-28T14:48:00+00:00

Por Suely Buriasco

suely_frase “Antes de julgar a minha vida ou o meu caráter… calce os meus sapatos e percorra o caminho que eu percorri, viva as minhas tristezas, as minhas dúvidas e as minhas alegrias”. Grande Clarice Lispector!

Julgamos pessoas e situações com base nas nossas próprias crenças e valores; não estamos acostumados a olhar para o outro incluindo o seu próprio contexto de vida. Grande parte das pessoas avaliam assim: pensam como eu? Estão certos. Discordam? Estão errados. E alguns vão ainda mais além classificando como: do bem e do mal. Também é preciso ter cautela em relação a outra consequência dos julgamentos que é tirar conclusões precipitadas, ou seja, julgar de forma distorcida o posicionamento alheio. Importante perceber que quase sempre as questões que geram os desentendimentos não são relativas ao certo e errado ou ao bem e ao mal; elas se referem única e simplesmente ao diferente e desconhecido.

Entramos em conflito sempre que nos deparamos com um conceito diferente do nosso e nos sentimos ameaçados. Então o instinto de defesa se aflora e temos necessidade não só de negar, mas de destruir literalmente o que nos parece oposto. Infelizmente, nem sempre as pessoas ficam apenas no campo da ideia e sentem necessidade de destruir quem a detém também. É assim que surgem muitas rivalidades que se transformam em inúmeras formas de violência.

Lamentavelmente, quando nos sentimos de alguma forma afetados nos tornamos seletivos e só absorvemos o que afirma a nossa indignação. Não ouvimos o outro, não questionamos suas razões, não observamos melhor seu posicionamento. Está errado e pronto, dai surgem os julgamentos e na falta do respeito, os insultos e desentendimentos. Então os relacionamentos se perdem, causando, no mínimo, sérias e doloridas decepções. O importante de conhecer esse comportamento comum é estar alerta contra ele.

Assim, algumas atitudes são fundamentais para a construção de relacionamentos saudáveis:

  • Desenvolver a empatia que aproxima e facilita todo tipo de relacionamento;
  • Respeitar e compreender o outro, mesmo não concordando com ele;
  • Aceitar que ninguém é dono da verdade;
  • Não supor sem constatar
  • Não concluir antes de questionar e checar o entendimento

O fato é que adoramos fazer afirmações, mas o que move os bons relacionamentos são as perguntas.

Não suponha, pergunte2016-03-28T14:48:00+00:00
24 06, 2015

Desista de mudar o outro, mude suas atitudes

2015-06-24T18:09:10+00:00

Por Suely Buriasco

 Naked athleteUma mãe me manda um e-mail desesperado, diz que é divorciada e vive só, não pode conviver com os dois filhos; o mais velho é casado e a nora não deixa que ele a procure e o mais novo vive com o pai que o proíbe de visitá-la. Eu lhe respondo:

De forma geral posso dizer que você não pode mudar os outros, então seria interessante analisar o que pode ser mudado em você para que o seu relacionamento com os filhos mude. Pense em estratégias que possam fazer seus filhos se aproximarem de você. Deixe de procurar culpados e opere as mudanças que você pode fazer, ou seja, em você mesmo.

Ela agradeceu minha atenção, mas disse que não adiantava fazer nada.

Esse é só um exemplo entre muitos. Quando o ponto é reconhecer as próprias responsabilidades diante dos conflitos, algumas pessoas tendem a negar como se não houvesse nada a ser feito. É o tão famoso “não adianta”, para ocultar o receio e mesmo a falta de vontade para abordar outras possibilidades, até porque isso significa assumir o que lhe cabe na situação, já que ninguém entra em conflito sozinho.

Mas o fato é que você não pode mudar os outros, não pode fazer com que eles entendam as situações conforme o seu próprio entendimento, muito menos exigir que eles tomem qualquer medida que, a seu ver, resolveria o problema. Entretanto, você pode fazer muito pelo seu relacionamento com as pessoas, desde que assuma seus próprios erros e enganos, que respeite a maneira do outro ser e se manifestar e, finalmente, que se desfaça do orgulho exacerbado. Enquanto manter inflexível a sua posição, não admitindo outras formas de pensar e agir, você vai sofrer a ausência das pessoas que ama e a solidão dos intolerantes.

Não vale à pena sofrer e negar o sofrimento não livra você dele; a vida nos dá muitas oportunidades felizes, mas a maior delas é, sem dúvida, conviver com nossos afetos. Problemas nos relacionamentos são comuns e devem ser solucionados o quanto antes, para que as mágoas não causem ainda mais dor.

Portanto diante de conflitos no relacionamento deixe de gastar energia procurando culpados, julgando e condenando as pessoas. Pare de sofrer, foque no que você pode fazer e mude as suas atitudes. Afinal, você não precisa concordar com o outro ou agir da forma que ele quer; você só precisa respeitá-lo.

Pense: se você fizer a sua parte, no mínimo, a metade da questão já estará resolvida. É uma boa porcentagem, não acha?

Desista de mudar o outro, mude suas atitudes2015-06-24T18:09:10+00:00
17 03, 2015

Aceitar o outro

2015-03-17T21:22:46+00:00

Por Suely Buriasco

frase facebook toleranciaNem bem passou o estresse das últimas eleições, consideradas das mais atribuladas da história de nosso país, e as redes sociais já estão novamente sob o impacto de grandes apelos. Os satisfeitos e os insatisfeitos com o atual governo fazem acontecer verdadeiros debates, o que seria muito positivo se não fosse pelas ofensas que voltaram a ser trocadas.

Não é minha intenção aqui entrar no mérito político da questão, especialistas já o fazem com muita propriedade. Nem mesmo dar a minha opinião de cidadã sobre a atual situação do Brasil, embora eu a tenha com muita segurança, não é o caso nesse momento. A ideia é refletir sobre o comportamento humano diante de algo que não considera viável, ou certo. Pensar em como o sentimento de indignação diante das crenças do outro nos afeta, levando muitos a agir de forma intolerante, deseducada e violenta. Isso é o que me preocupa e penso que deve gerar autoanálise: porque o outro me afeta tanto? Qual a importância das opiniões diversas na minha própria opinião?

Melhor não se enganar; se chegamos a perder a compostura por conta das ações dos outros é porque nos causam ojeriza e é muito bom saber por que, principalmente quando nos tornamos violentos e causamos danos. A meu ver a violência jamais se justifica e não podemos exigir nada através dela. E não venha com essa que é esse ou aquele grupo que age assim, porque o que está havendo é uma troca acirrada de ofensas.

Porque é tão difícil entender que existem pessoas que pensam diferente de nós? Como pode ser que o óbvio para uns, seja visto de outra forma por outros? Será que eu tenho o direito de agredir alguém por estar em lado ideológico oposto ao meu? Fico a divagar o quão proveitoso seria se ouvíssemos mais uns aos outros e, mesmo sem concordar, compreendêssemos a complexidade do pensamento humano, assim seguiríamos em paz, cada um em seu próprio caminho.  Lutar por uma causa, ter um ideal é o que enobrece o caráter de qualquer pessoa, mas numa verdadeira luta ideológica, não há lugar para ofensas e ressentimentos.

Esteja você em que grupo estiver não subestime os outros, não os desconsidere ou ofenda. Não faça da sua luta uma guerra antiquada e infecunda. Seja leal aos seus valores e siga agindo da forma que você considera correta e jamais esqueça que é sábio discutir ideias, mas nunca pessoas.

Aceitar o outro2015-03-17T21:22:46+00:00
1 08, 2011

Suely Buriasco estreia como colunista do site Konvênios

2011-08-01T13:15:43+00:00

Neste mês Suely Buriasco estreou como colunista do site Konvênios. Clique na imagem abaixo e leia o artigo O Conflito e as Relações, que fala sobre a observação dos conflitos e a importância de se respeitar opiniões opostas.

Suely Buriasco estreia como colunista do site Konvênios2011-08-01T13:15:43+00:00
WhatsApp chat