fbpx

Mediação de Conflitos

23 10, 2017

Palestra: Mediação de Conflitos – Avanços e Desafios

2017-11-04T18:04:03+00:00

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, por meio do Centro Judicial de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) da comarca de Corumbá, realizou, na noite desta sexta-feira, 20 de outubro, palestra com tema “Mediação: Avanços e Desafios”. O evento aconteceu no Centro de Convenções do Pantanal Miguel Gomez – Porto Geral e teve como palestrante Suely Buriasco, educadora, escritora e especialista em Mediação de Conflitos. Profissionais e estudantes envolvidos com o Direito, além de servidores públicos e demais interessados pelo tema participaram da palestra.​

IMG-20171024-WA0028 IMG-20171024-WA0023 IMG-20171024-WA0020 IMG-20171024-WA0011 20171024_172515

 

60969-foto-covis-neto03-a

60973-palestra-aconteceu-no-auditorio-do-centro-de-convencoes-foto-clovis-neto

22549674_1856971231011646_5813791141682132813_n

IMG_2727

IMG_2729

IMG_2735

IMG_2738

Palestra: Mediação de Conflitos – Avanços e Desafios2017-11-04T18:04:03+00:00
7 08, 2017

Excesso de Ego e baixa autoestima

2017-08-07T18:32:06+00:00

Suely Buriasco

Existe uma correlação muito equivocada entre o ego exacerbado e a boa autoestima. O egocentrismo, caracterizado por uma atenção demasiada em si próprio, constitui um desequilíbrio que provoca insatisfação e sofrimento. Já a boa autoestima é edificada pela percepção da satisfação íntima de ser e agir em conformidade com valores conhecidos e admirados. O egoísta está sempre cobrando mais das coisas e pessoas, vive querendo mais. Enquanto que quem tem boa autoestima sabe tirar o melhor das situações e não coloca suas expectativas nos outros.

Ego e desequilíbrio

Todos nós temos os nossos desejos e os nossos objetivos, o que é muito sadio. É uma força que nos impulsiona e contribui muito para a edificação de uma vida harmoniosa e feliz. O excesso de ego prejudica esse movimento, pois, fixa seus esforços de forma unilateral e egoísta. Por isso é responsável por muitas dificuldades nos relacionamentos pessoais e profissionais. O egocêntrico é uma criança mimada que não percebe o outro e sofre as consequências disso. As frustrações dos desejos não realizados e o sofrimento por nunca se sentir reconhecido tende a desequilibrar o ego que se torna cada vez mais doentio, iludido e enganado.

Egocentrismo e vida pessoal

Na vida pessoal o egocentrismo afasta as pessoas e provoca conflitos de difícil solução, já que quem não vê de forma empática o outro, não entende o consenso como uma possibilidade. Bons relacionamentos exigem compreensão, partilha e respeito, além de outras disposições que pedem a boa vontade de olhar e sentir o outro.  Pessoas imaturas não enxergam as necessidades alheias e, quase sempre, terminam por experimentar muita solidão. 

Egocentrismo e vida profissional

Na vida profissional não é diferente. O ego exacerbado é completamente contrário ao espírito de equipe e não condiz com a necessidade corporativa de colaboração. Não é por menos que um bom líder é aquele que reverencia seus liderados, não evidenciando o seu próprio nome provoca verdadeira conexão que gera os resultados esperados. O bom colaborador chama atenção pela forma com que inspira seus colegas.

É preciso, pois, entrar em alerta quando estamos sempre querendo que as pessoas nos valorizem, quando queremos ser sempre o centro das atenções. Manter em equilíbrio as forças do ego caracteriza o seu bom funcionamento das relações e promove a sensatez diante dos desejos e necessidades.

Suely Buriasco
Coaching e Mediação de Conflitos

 

Excesso de Ego e baixa autoestima2017-08-07T18:32:06+00:00
10 07, 2017

Treinamento Mediação Corporativa

2017-07-13T20:00:28+00:00

Fim de mais um treinamento de Mediação Corporativa.

É sempre uma grande satisfação efetivar acordos para o bom relacionamento da equipe, incluindo itens como:

1- Diálogo para o entendimento
2- Separar a pessoa do problema
3- Desenvolver a empatia
4- Respeito e consideração pelo outro
5- Agente motivador

Parabéns a todos os participantes, protagonistas de resultados tão positivos.

Treinamento Mediação Corporativa2017-07-13T20:00:28+00:00
15 05, 2017

Ser feliz é uma escolha, sofrer faz parte

2017-05-15T19:15:58+00:00

Suely Buriasco

A felicidade deve estar em nossas maiores prioridades de vida. Já ouvi muita crítica sobre vivermos uma época em que a felicidade virou uma obrigação e que nunca se falou tanto nela. Ora ninguém consegue ser feliz por obrigação, a felicidade é sentimento, tem que surgir lá no íntimo, onde não há como se enganar, muito menos servir de aparência.

Felicidade aparente é ilusão passageira

Entretanto, é preciso que estejamos alertas para que a busca pela felicidade não se torne a busca apenas pela aparência. A exposição nas redes sociais, por exemplo, incentivam pessoas que cultivam o gosto de demonstrar sentimentos que nem sempre são verdadeiros e, por outro lado, isso causa certo descontentamento em quem “assiste” a tanta satisfação. Duas situações muito negativas; a primeira porque quem vive de aparência não se dedica a essência e, portanto não é feliz realmente; a segunda porque quem vive reparando na vida dos outros, não tem tempo de investir na própria vida.

A felicidade é a realidade vista com otimismo

Muitos já estão percebendo que enfrentar os desafios da vida com alegria, aumenta a disposição e revigora as energias. A autoconfiança, consequência da boa autoestima, tem se mostrado fundamental para o bom desempenho tanto na vida pessoal, como profissional. Mas não se pode entender que a opção pela felicidade nos livre das dificuldades e perdas que causam sofrimento e fazem parte da vida de qualquer pessoa. Buscar a felicidade não é ignorar a realidade e sim enxergá-la sob um ângulo otimista, afinal a maneira como encaramos qualquer situação definirá como iremos nos sentir. Todos nós temos nossas dificuldades e nem tudo é cor de rosa na vida de ninguém, mas é possível encarar os momentos difíceis como aprendizado, buscando agir sempre de forma a sentir-se satisfeito consigo mesmo.

A gratidão gera felicidade

Assim, penso que a felicidade deve ser aclamada, mas principalmente vivida de forma real e verdadeira. Quem é realmente feliz não tem necessidade de aparências; demonstra em atos, na forma de viver e inspira outras pessoas. A felicidade depende, pois, de cada um, da forma como busca exemplos e se dedica a vivenciá-los em sua alma. Acredito na felicidade como consequência da gratidão que nos faz valorizar tanto as coisas boas, que as outras ficam para segundo plano.

Ser feliz não é um luxo ou trivialidade; é uma necessidade e um direito incondicional de todo o ser humano. Experimente!

Suely Buriasco

Coaching e Mediadora de Conflitos

www.suelyburiasco.com.br

Ser feliz é uma escolha, sofrer faz parte2017-05-15T19:15:58+00:00
24 04, 2017

Superar sofrimentos é um ato de fé

2017-04-24T19:08:27+00:00

Suely Buriasco

Uma história intensa e emocionante escrita por William P. Young, que bateu recordes de venda e virou filme, “A Cabana” não decepciona quem procura uma leitura ou filme interessante.

Um pai, três filhos, uma viagem de fim de semana que se transforma em tragédia quando a caçula é raptada e são encontradas evidências de seu assassinato numa cabana abandonada. Vidas que se transformam; uma família alquebrada, um pai desolado pela culpa e inconformação! Onde estaria Deus que não poupara sua criança? Sendo Deus tão poderoso, porque não ameniza os sofrimentos? Quatro anos entregues à “Grande Tristeza”, revolta, raiva e ausência; até que um convite mudaria totalmente o rumo da vida desse pai: um final de semana com ninguém menos que Deus!  E assim a história se desenrola em várias passagens marcantes; algumas de modo mais evidente como quando Mack, o pai, vê o Espírito de Missy, a filha que se mostra sorrindo e feliz.  As surpresas são muitas!

De forma paradoxal a história propõe a quebra de vários paradigmas, mas manifesta dogmas religiosos profundamente enraizados como a Trindade, por exemplo. Quando o próprio autor cita o provérbio: “Crescer significa mudar e mudar envolve riscos, uma passagem do conhecido para o desconhecido”; percebo certa incoerência. O ser humano tende sempre a se manter no comodismo da crença que lhe foi passada pronta, não percebendo o quanto isso o mantêm preso a valores antigos que sequer são os seus, já que os têm por herança.  Entretanto, abstraindo-se as alegorias que dão um toque exagerado ou fantástico na narrativa, o que se privilegia é uma mensagem envolvente sobre vida, morte, dor, perdão, fé, amor e redenção.

A proposta de reflexão sobre o poder de Deus, a grandeza de seu amor e o sentido do sofrimento é intensa. Deus privilegiando os relacionamentos, exaltando o amor e muito particularmente a necessidade do perdão. O esclarecimento de que ao perdoar não isentamos o outro de seus erros que terão de ser expiados de qualquer forma, entretanto, nos libertamos da dor provocada pelo ódio e pela revolta. Também chama a atenção a explanação de Jesus dizendo-se não cristão, porque sua igreja não é uma instituição e abrange todos os povos e crenças. A religiosidade é tratada como uma relação Divina, enquanto que as religiões com todas as gamas de dogmas e regras servem muito mais ao humano.

Todos temos os nossos próprios sofrimentos, nossas feridas, nossas próprias “cabanas”, quando compartilhamos superações, inspiramos os outros a agir de forma a suavizar a própria vida. Penso que esse é o ponto forte de “A Cabana”. Não importa a forma, o conteúdo vale à pena!

Superar sofrimentos é um ato de fé2017-04-24T19:08:27+00:00
20 02, 2017

6 características das pessoas bem resolvidas

2017-02-20T20:22:54+00:00

Autoestima não se compra, aluga ou doa, há que se desenvolver por si mesmo. Não depende de aparência e não tem relação com nada que é exterior. Uma pessoa bem resolvida é aquela que busca autoconhecimento, enfrenta as dificuldades com bom ânimo e disposição, não se abala diante de julgamentos alheios e segue dando de si o melhor.

Algumas características são marcantes em pessoas assim:

  1. Gratidão

Pessoas bem resolvidas são gratas porque priorizam o que há de bom na vida. Sempre conseguem tirar algum ensinamento e experiência até das situações mais difíceis e agradecem pelo aprendizado.

  1. Perdão

Quem sabe de si tem maior facilidade de entender as falhas alheias, pois reconhece que a imperfeição é comum a todo ser humano. Assim, dispõe-se a perdoar os outros e se livra das amarras das emoções destruidoras.

  1. Responsabilidade

Faz parte da personalidade esclarecida não se vitimar e não procurar culpados nos reveses que se sucedem. Ao invés disso buscam refletir sobre como poderiam ter feito melhor, assumem suas responsabilidades e buscam a solução.

  1. Gentileza

Pessoas seguras de si são sensíveis, acolhedoras e gentis. Têm alegria em reconhecer os esforços alheios e, por isso, gostam de elogiar e parabenizar os feitos que consideram positivos nas pessoas com as quais convivem.

Todos passamos por momentos de insegurança, mas a forma como enfrentamos as intempéries é que nos distingue e fortalece.

  1. Positividade

Não se deixam manipular por pensamentos e comentários negativos. Discutem ideias e não pessoas, sempre buscando a melhor ótica. Pessoas esclarecidas não se envolvem em assuntos obscuros e têm a autenticidade como ponto forte. São naturalmente educadas e bem humoradas.

  1. Altruísmo

Quem tem segurança em si mesmo não tem medo de compartilhar conhecimento, ao contrário, tem alegria em poder ser útil em todos os sentidos. Preocupa-se com o bem estar alheio e tem sempre algo bom a dizer e fazer por seu próximo.

É importante notar que ninguém é 100% bem resolvido o tempo todo, por isso a importância da busca constante de autoconhecimento e de métodos para a melhoria contínua das próprias habilidades. Todos passamos por momentos de insegurança, mas a forma como enfrentamos as intempéries é que nos distingue e fortalece.

 

6 características das pessoas bem resolvidas2017-02-20T20:22:54+00:00
13 02, 2017

Como se livrar dos relacionamentos “âncora”

2017-02-13T19:49:06+00:00

Suely Buriasco

Já ouviu essa máxima popular: “Antes só do que mal acompanhado”? Eu considero uma grande verdade, mesmo levando em consideração que precisamos viver em sociedade. O problema é quando existe a crença: “Melhor com ele(a) do que sozinho(a)”, porque ai a pessoa se anula, aceita o inaceitável e mendiga por um pouco de atenção.

Pessoas que têm prazer de nos colocar para baixo, que não suportam nossa alegria, que têm sempre uma palavra desmotivadora e buscam por alvo nossas fraquezas não merecem a nossa presença, muito menos, desfrutar do nosso convívio. Pessoas “âncora” precisam ser identificadas o quanto antes para que nos protejamos de suas influências nefastas.

Preste atenção em algumas dicas para se livrar de pessoas assim:

  1. Olho na autoestima

Apenas pessoas que não sabem o próprio valor aceitam ser depreciadas. Faça uma autoanálise e veja se tem agido de acordo com as suas crenças e valores. Se você tem aceitado conviver com pessoas desmotivadoras, seja na vida pessoal como na profissional, inicie imediatamente um trabalho de melhorar a sua autoestima. Somente alguém que não se considera merecedor do melhor para a própria vida mantém-se preso a uma “âncora”.

  1. Imponha limites

Se você tem consciência de seu valor não permita que nada e nem ninguém o faça se sentir menor. Lembre-se que as pessoas só fazem com você o que você permite. Tome as rédeas da sua vida e imponha limites às influências externas. Compreendo que você não quer viver sozinho(a), mas soltar-se de pessoas negativas farão com que você encontre companhias mais satisfatórias. Acredite que é a sua mente que cria o seu mundo e coloque-se, imediatamente, na função de edificar relacionamentos “balão”, ou seja, que elevem e valorizem você.

  1. Tome distância

Muitas vezes impor limites não é o bastante para soltar-se das amarras que prendem você ao ostracismo de si mesmo. Melhor então é tomar o máximo de distância possível de quem o empurra para baixo. Nem sempre isso é fácil, principalmente quando se trata de um familiar ou colega de trabalho, por exemplo. Em casos assim é essencial que se desenvolva distância emocional, pela qual todos os laços se rompam e a pessoa não consiga mais influenciar você.

Seja cortês, educado e gentil com todas as pessoas, mas escolha com cuidado as que merecem conviver com você e ter ascendência na sua vida.

Como se livrar dos relacionamentos “âncora”2017-02-13T19:49:06+00:00
6 02, 2017

A empatia na comunicação inteligente

2017-02-06T12:46:26+00:00

Suely Buriasco

Um dos fatores predominantes na construção de conflitos é a maneira como as pessoas expõem seus próprios pontos de vista. Isso é tão interessante que, muitas vezes, duas pessoas se desentendem mesmo pensando da mesma forma sobre alguma razão. Na verdade, o que determina o grau de entendimento é a forma pela qual a comunicação é desenvolvida, ou seja, não é tanto o que se fala, mas como se fala.

A imposição dos próprios valores é um grande entrave nos relacionamentos, pois, representa o desrespeito aos valores alheios. Julgando e rotulando pessoas acabamos por marginalizá-las, conferindo-lhes um lugar perpétuo imposto simplesmente pela discordância de ideias. Dessa forma não é possível desenvolver uma comunicação eficaz, muito menos manter um relacionamento saudável.

Pela empatia abrimos novas alternativas e intensificamos as possibilidades de entendimento com as pessoas que, de alguma forma, convivem conosco. Afinal, a empatia nos inspira a dar significado aos sentimentos e convicções alheias. Isso é engrandecedor, pois amplia nossa habilidade de entender e se fazer entendido socialmente.

A comunicação empática tem por consequência melhorar nossa aptidão em construir bons relacionamentos, estabelecidos não simplesmente pela afinidade de pensamentos, mas substancialmente na consideração e respeito ao outro. Trocando em miúdos; você pode se relacionar bem com qualquer pessoa, mesmo que ela pense muito diferente de você. Não se trata de mudar as próprias concepções, mas essencialmente de permitir que as outras pessoas também tenham as suas e, mais ainda, que tenham esse direito, assim como você mesmo.

Ao compreendermos sentimentos que não são nossos, envolvemo-nos na compaixão e desbloqueamos os canais de transmissão e recepção das mensagens. Assim entendemos que, na maioria das vezes, o que impera nos conflitos de relações não é o “certo ou o errado”, mas sim o “diferente”. Assim, acabamos por usar as diferenças a favor da harmonia, nisso reside um grande crescimento pessoal que, fatalmente, terá reflexo em todos os níveis de nossa vida.

 

 

A empatia na comunicação inteligente2017-02-06T12:46:26+00:00
23 01, 2017

Vida a dois: A arte de reconhecer cada pessoa como única

2017-01-23T15:34:58+00:00

As postagens nas redes sociais deram grande ênfase à forma elegante e carinhosa com que o presidente Barack Obama se dirigiu à esposa no discurso de despedida da presidência dos EUA. Emocionado, o presidente revelou amor e gratidão à esposa, provocando suspiros femininos pelo mundo. E não é para menos, afinal, que mulher não ficaria em êxtase com tão linda referência?

Muitas mulheres dizem não se sentir valorizadas por seus parceiros e esse tem sido um motivo, cada vez mais comum, para separações. Todo ser humano deseja ter os seus esforços reconhecidos e isso funciona em todos os tipos de relacionamento. No entanto, no relacionamento a dois sentir-se valorizado é algo essencial, sendo decisivo na satisfação com a vida compartilhada. Isso vale para ambos os gêneros, o que difere é a forma de cada um sentir e se manifestar. Essa diferença, bem como a de personalidade precisa ser levada em conta para evitar confusões e conflitos desnecessários.

Claro que não se pode construir um relacionamento saudável onde haja desprezo e indiferença, mas, como tudo o que envolve os relacionamentos, essa também é uma questão bastante complexa. Ouvindo casais pude constatar que a ineficácia na comunicação é a origem de muitos sentimentos que não refletem a realidade. Mulheres costumam se sentir preteridas quando seus parceiros não se declaram, não elogiam, ou seja, não manifestam sua importância. Muitos homens não sabem lidar com as emoções femininas e acabam reforçando o sentimento de rejeição, mesmo não sendo essa as suas vontades.

Conversar é sempre mais produtivo do que comparar. Seja empática e dê uma chance ao homem que você ama! – Suely Buriasco

Por isso, se você está sofrendo por se sentir desprezada, procure saber se esse é mesmo o sentimento do seu parceiro. Acredite: ele pode estar perdido, sem saber o quanto a está magoando. Dê a ele a chance de entender os sentimentos através do diálogo franco; fale com clareza e permita que ele também exponha os seus pensamentos. Não acredite que por amá-la ele deveria compreender o que se passa com você e tenha em mente que nada é óbvio em relação ao ser humano, pois, somos todos indescritivelmente únicos. Falar de seus anseios com afetividade, além de produzir entendimento, ainda  pode promover a transformação que você deseja em seu relacionamento.

Acredite, pode ser que seu marido se sinta tão ou mais reconhecido do que o presidente Obama em relação a sua Michelle, só não tem a mesma clareza para expor isso. Conversar é sempre mais produtivo do que comparar. Seja empática e dê uma chance ao homem que você ama!

Suely Buriasco
Mediação de Conflitos e Coaching

 

Vida a dois: A arte de reconhecer cada pessoa como única2017-01-23T15:34:58+00:00
17 01, 2017

5 Dicas para desenvolver a compaixão e edificar bons relacionamentos

2017-01-17T21:09:02+00:00

Suely Buriasco

A compaixão é uma virtude que nos torna mais humanos, capazes de edificar bons relacionamentos e serenidade na alma. Ao nos compadecer legitimamos a dor do outro e entendemos suas reações. Sentir a dor alheia é criar energias empáticas de amor e compreensão. No entanto, o poder da compaixão vai muito além do sofrer junto, representa essencialmente a vontade de ser útil, ou seja, o foco é a solução. Por isso, quem tem compaixão é capaz de transformar situações ruins em benéficas.

Considere algumas dicas para desenvolver essa virtude:

  1. Perceba o outro

Inicie um processo de observar mais as pessoas de sua convivência, tente entender a forma como elas reagem diante das situações que se apresentam.

Use dos eventos cotidianos para desenvolver essa força interior que propiciará maior sensibilidade em relação aos que cercam você. Pequenos atos de doação proporcionam tamanha satisfação que você sentirá motivação para ampliá-los.

  1. Saia do casulo

Todas as pessoas têm seu próprio quinhão de dor e dificuldade e, se você seguir o item acima concluirá que, nem de longe, você é a única pessoa a precisar de atenção. Deixe de concentrar-se apenas nas próprias dores e faça com que a piedade desperte seus melhores sentimentos. Ninguém é vítima, todos desejam aprimorar escolhas e encontrar a felicidade, mesmo que, aparentemente, não saibam como fazê-lo. Pensar assim fará com que você sinta maior disponibilidade em ser útil e ajudar.

“A principal razão da existência humana é a felicidade e a compaixão é a característica mais marcante do ser humano”. Dalai Lama

3- Desenvolva a empatia

Procure entender as pessoas sob a ótica delas, o que elas sentem a partir das concepções e valores que possuem. Não antecipe conclusões baseadas no seu contexto de vida. Não faça julgamentos infrutíferos e concentre-se no que você pode fazer. Compreendendo a situação da forma como o outro vê, você terá maior clareza do que pode fazer para ser útil.

  1. Seja tolerante e paciente

Tenha boa disposição para ajudar as pessoas o máximo que puder. Seja tolerante e tenha compreensão, principalmente em relação às pessoas difíceis e ingratas. Lembre-se que não é sobre o que elas fazem, mas sobre como você se sentirá diante de suas próprias ações.

  1. Reconheça seus semelhantes

Compaixão essencialmente é reconhecer que somos todos seres humanos, com aspirações e necessidades. Precisamos uns dos outros para evoluir, motivar e superar nossas dificuldades. A constatação dessa verdade facilita a empatia e os relacionamentos.

Dalai Lama afirma que “a principal razão da existência humana é a felicidade e que a compaixão é a característica mais marcante do ser humano”.

É de grande importância refletir sobre o altruísmo universal e o nosso grau de responsabilidade pelo bem comum. É essa noção de universalidade que promove o desejo de ajudar as pessoas a superar seus problemas e a satisfação íntima de ter cumprido com o nosso dever como humanos.

 

5 Dicas para desenvolver a compaixão e edificar bons relacionamentos2017-01-17T21:09:02+00:00
9 01, 2017

6 atitudes simples que farão seu ano mais feliz

2017-01-09T15:53:12+00:00

Suely Buriasco

A tendência em acreditar que a virada do ano renova a vida é muito grande, o problema é que os acontecimentos não obedecem essa ordem e, muitas vezes, acabamos desestimulados. Nada será diferente a não ser que façamos diferença através de nossos próprios atos.

Algumas atitudes são fundamentais para fazer de 2017 um ano realmente feliz:

  1. Aproxime-se de você mesmo

Todas as obrigações diárias acabam nos distraindo do que realmente importa. Comece esse ano com a disposição de olhar mais para si mesmo, buscando autoconhecimento. Dê atenção a sua autoestima, procure agir de forma a se sentir bem consigo mesmo. Cuide do físico, mas não se esqueça do intelectual; leia bons livros, faça cursos, aprimore sua mente.

  1. Seja gentil

A gentileza é fonte profunda de bem-estar. Seja tolerante e paciente. Aja de forma afável com as pessoas, sejam elas do seu convívio ou estranhas. Tenha sempre um sorriso natural, uma palavra estimulante, um cumprimento cortês. Acredite: pequenas gentilezas transformam vidas.

  1. Cuidado com as comparações

Não compare a sua vida com a de ninguém e vice-versa. Entenda e respeite a sua individualidade e a dos outros. Cada pessoa está vivendo o seu momento exato, no lugar certo e com as pessoas que, de alguma forma, atraiu. Ninguém é mais ou menos feliz que outro, cada um vive da forma que conduz a própria vida. Entenda isso.

  1. Controle o uso do celular

O celular e tudo o que ele oferece é muito interessante, mas exige cuidado para não se transformar em um vilão da sua saúde e de seus relacionamentos. Procure não usá-lo em ambientes sociais para dar mais atenção as pessoas e abstenha-se peremptoriamente de levá-lo para a cama, você vai adormecer mais rápido e dormir melhor. A sua saúde física e mental agradece.

  1. Estreite laços

Nada mais revigorante do que conviver com pessoas amadas, portanto, não se distraia delas. Procure inserir novas e arrebatadoras paixões nos seus relacionamentos. Ame muito e desfrute o melhor da vida, pois, tudo só valerá à pena se você tiver com quem dividir suas alegrias, seu sucesso e suas tristezas também.

  1. Cultive a gratidão

Quando aprendemos a enaltecer o bom e o belo, priorizamos isso na nossa vida. Por isso a pessoa grata é mais feliz e o contrário também é verdadeiro. Como escreveu Victor Hugo: ” Os infelizes são ingratos; isso faz parte da infelicidade deles”. Desenvolva a gratidão em pequenas doses de agradecimento diário e verá quantas coisas boas terá por agradecer durante o ano.

Suas atitudes definirão a qualidade do seu ano novo. E então, topa construir um ano feliz?

 

6 atitudes simples que farão seu ano mais feliz2017-01-09T15:53:12+00:00
3 01, 2017

Dicas para começar o ano com “o pé direito”

2017-01-04T14:02:41+00:00

Recomeços são motivadores, pois nos inspiram a pensar em novas possibilidades, mais prósperas e felizes. As pessoas trocam boas energias, mensagens de um “Feliz Ano Novo” e se tem a impressão clara de que coisas boas virão. Essas vibrações são muito positivas, mas não nos enganemos: o ano só será realmente novo se deixarmos o velho para trás e operarmos as renovações que desejamos.

Vale refletir nessas dicas: 

  1. Esqueça o “pé direito”

Pular 7 ondas, vestir branco, verde ou amarelo, comer lentilha e nada que cisque para trás, receber o ano pulando com o pé direito e tantas outras crendices só servem para animar a brincadeira da virada. Na prática mesmo o seu ano será o que você fizer dele.

  1. Enfrente as dificuldades

Mudar exige coragem para enfrentar as dificuldades e decidir por novos parâmetros que, muitas vezes, atingem em cheio ideias preconcebidas e crenças limitadoras. O fato é que sair da zona de conforto e ir à luta pelo que desejamos é desafiador e vale muito a pena. Por isso não tenha medo, avalie com cuidado o que você precisa mudar para ter um ano edificante e faça isso acontecer.

  1. Controle os gastos

Organizar as finanças é fundamental para melhorar a qualidade de vida, muitos são os estudos que se referem a isso. Gastar mais do que se ganha é, comumente, fonte de grande estresse que acaba comprometendo negativamente tanto o lado profissional como pessoal. Um objetivo sábio é educar-se financeiramente.

  1. Estabeleça metas

Planejamento é essencial para alcançar o que se deseja. Defina tempo hábil e ações desafiantes e exequíveis. Reveja periodicamente suas metas e faça as adequações necessárias, afinal é preciso se preparar para o inesperado. Mantenha o foco sem estresse e decida-se por fazer dar certo. 

  1. Cuide da sua saúde

Os cuidados com a saúde devem ter prioridade na vida. Chega de adiar a visita ao médico, dieta necessária, a academia e etc. Também não se pode descuidar da saúde mental, por isso cuide da sua autoestima, do seu bem-estar, da sua evolução espiritual. Ou seja, intensifique a sua própria luz.

  1. Desenvolva bons relacionamentos

Os relacionamentos têm papel relevante na satisfação humana. Promova a harmonia através do perdão, da tolerância e compreensão. Seja solidário com todos, mas busque conviver com pessoas que acrescentem positividade na sua vida. Estreite os laços com quem você ama e viva intensamente o amor em toda a sua magnitude.

Não espere que o ano novo traga o que você almeja, sem atitudes novas esse será apenas mais um ano. Não permita tamanho desperdício!

 

                                                                                   Suely Buriasco

                                                                 Mediação de Conflitos e Coaching

Dicas para começar o ano com “o pé direito”2017-01-04T14:02:41+00:00
28 11, 2016

5 dicas para superar conflitos no trabalho

2016-11-28T14:10:58+00:00

É uma situação muito delicada quando surgem conflitos entre colegas; a convivência se complica e, por consequência, o rendimento no trabalho fica comprometido. Se essa situação se prolonga sem que haja uma solução, o colaborador fica desmotivado e, muitas vezes, o trabalho passa a ser um suplício.

Se você está passando por um momento assim e não sabe como resolvê-lo, olho nessas dicas:

  1. Faça uma autoanálise

Antes de qualquer ação é importante analisar qual a razão pela qual você está se sentindo tão afetado pelo outro. Seu colega pode ser uma pessoa difícil, mas você não precisa deixar que as ações dele influenciem as suas emoções. Lembre-se que as pessoas só fazem conosco aquilo que permitimos.

  1. Desenvolva a paciência

Às vezes é mesmo muito difícil conviver com alguém que nos incomoda, mesmo que emocionalmente, mas essa é uma situação oportuna para desenvolver a paciência. E ninguém perde por ser mais paciente, certo? Lembrando Franz Kafka: “Todos os erros humanos são impaciência, uma interrupção prematura de um trabalho metódico”.

  1. Seja educado e assertivo

O diálogo pode ser, em muitos casos, necessário para a busca de solução. É preciso levar em consideração que não se trata de um monólogo e, muito menos, de um bate-boca. Portanto, todo cuidado é pouco para não piorar ainda mais a situação. Escolha um momento propício, fale com educação e deixe muito claro o que está incomodando você.

…saber lidar com pessoas e manter relacionamentos harmônicos é um desafio constante.

  1. Demonstre interesse

Uma conversa com o objetivo de solucionar conflitos precisa ter via dupla. Portanto, não se esqueça de dar ao outro o mesmo direito que você deseja para si. Ouça com atenção, procurando compreender, genuinamente, os sentimentos de seu colega. Muitas vezes ofendemos as pessoas, mesmo sem querer, leve em consideração que isso é uma possibilidade. Seja empático.

  1. Não leve tudo para o lado pessoal

É muito importante não se sentir vítima ou o centro das atenções do seu colega. Talvez ele esteja tendo um dia difícil ou ele seja uma pessoa, realmente, problemática, mas isso pode não ter nada a ver com você. O conflito pode ser um ponto de vista seu, ou seja, seu colega talvez não esteja vendo por esse prisma. Também existe a possibilidade do problema ser com o trabalho e não com você de forma pessoal. É fundamental perceber essa diferença.

O fato é que saber lidar com pessoas e manter relacionamentos harmônicos é um desafio constante que precisa ser encarado com maturidade e bom senso. Com certeza todos têm a ganhar com isso.

Suely Buriasco
Coaching e Mediação de Conflitos e Corporativa

5 dicas para superar conflitos no trabalho2016-11-28T14:10:58+00:00
21 11, 2016

3 passos para eliminar a dependência emocional

2016-11-21T20:10:12+00:00

*Por Suely Buriasco

A pessoa dependente emocionalmente não acredita no seu próprio valor, no seu poder de tomar decisões, de fazer escolhas e até mesmo na sua capacidade de conquistar alguém e, muitas vezes envolve-se em relações destrutivas por não se achar merecedora de coisa melhor. Submissão e insegurança são atributos comuns na pessoa que se sente fragilizada e possui uma imagem muito negativa de si mesma. Por se sentir incapaz em agir adequadamente apoia-se sempre em outras pessoas tornando-se dependente de orientações e direcionamentos alheios.

Esses passos são fundamentais para superar a insegurança, tomar as rédeas da própria vida e construir relacionamentos saudáveis:

  1. Enfrentar o problema

Uma pessoa dependente não consegue manter um relacionamento amoroso sadio e sua submissão nada mais é do que a necessidade do outro. São pessoas que ao declararem ao cônjuge: “eu não vivo sem você”, não estão sendo românticas ou amorosas, pois, efetivamente são dependentes do outro. É preciso conscientizar-se que existe algo muito sério a ser enfrentado e corrigido urgentemente.

  1. Trabalhar a autoestima

Apego, carência e insegurança refletem problemas com a autoestima, portanto, esse é um passo fundamental na luta contra a dependência emocional. A pessoa dependente está fragilizada e não se sente capaz de mudar seus comportamentos e, consequentemente, o relacionamento. Existe uma bibliografia extensa sobre como melhorar a autoestima e se tornar mais autoconfiante. Ampliar e aplicar conhecimentos pode ajudar muito.

  1. Buscar ajuda

A necessidade e o apego são venenos fatais em qualquer relacionamento e, cedo ou tarde, transformam a vida dos envolvidos em verdadeiro suplício. Quanto antes efetivar mudanças melhor. Claro que a tarefa não é fácil, por isso é importante buscar ajuda profissional. O Coaching utiliza ferramentas fantásticas para o empoderamento pessoal.

Exemplos de superação estão aí aos montes a demonstrar que a única pessoa imprescindível na sua vida é você mesmo. Portanto, assuma o controle e transforme a sua vida em algo que valha a pena ser vivido e, consequentemente, compartilhado.

 

3 passos para eliminar a dependência emocional2016-11-21T20:10:12+00:00
16 11, 2016

A comunicação eficaz gera o progresso pessoal e coletivo

2016-11-16T13:36:15+00:00

Suely Buriasco

As pessoas costumam associar o conflito com a falta de comunicação, mas o que realmente provoca o conflito é o excesso desordenado e violento de comunicação. Você pode desencadear um conflito com um olhar, um gesto, uma fisionomia, que são processos de comunicação não-verbais, mais que podem conter tanto ou até mais violência do que a fala. E pior: é através desse tipo comunicação agressiva que se alimenta o conflito e o transforma em briga, com consequências que podem ser muito graves, prejudicando todos os envolvidos.

A relação conflito e comunicação tem sido estudada há alguns anos e já é possível afirmar a interdependência desses dois fatores na vida humana. O psicólogo americano Marshall Rosenberg desenvolveu uma pesquisa que chamou de CNV – “Comunicação Não Violenta” que se transformou também em um livro. A pesquisa apresenta uma série de técnicas para aprimorar os relacionamentos, baseadas no desenvolvimento da comunicação eficaz, ou seja, a forma de realmente entender e sermos entendidos.

Isso tem grande importância na vida de qualquer pessoa, pois, somos seres sociais e interagimos através da comunicação, assim, a forma como o fazemos é que determinará o sucesso ou o fracasso em nossos relacionamentos. E não nos iludamos quanto o efeito disso na nossa própria satisfação; ninguém é feliz sozinho e muito menos realizado, se não consegue manter bons relacionamentos.

Algumas dicas podem facilitar o desenvolvimento da comunicação clara e convincente:

  • Ouça com genuína atenção
  • Fale com clareza e assertividade
  • Seja empático
  • Saiba o momento de “sair de cena”

Esses fatores aliados à sabedoria do equilíbrio e bom senso são fundamentais para o entendimento de qualquer situação e entre quaisquer pessoas, independente de qualquer tipo de diferença. Com isso os conflitos, que são processos naturais, tomam a direção do entendimento e as pessoas ganham em todos os sentidos; sem dúvida um processo muito inteligente.

A efetivação desse conceito gera a maior transformação que o ser humano é capaz de operar em si mesmo e, ainda, o prepara para promover a transformação do mundo que vivemos.

A comunicação eficaz gera o progresso pessoal e coletivo2016-11-16T13:36:15+00:00
31 10, 2016

Não está bom? Muda!

2016-10-31T17:35:57+00:00

Eu recebo diariamente várias mensagens de pessoas que se dizem insatisfeitas com a própria vida: relacionamentos difíceis, ciúme exacerbado, solidão e por ai vai. Muitos sabem apontar a insatisfação, mas poucos compreendem que ela pode ser consequência de seus próprios comportamentos. O fato é que quase sempre são as nossas ações que produzem os resultados pelos quais reclamamos. Portanto, se você quer sair desse engodo e criar para si uma vida mais feliz, comece por promover uma mudança comportamental na sua vida.

O que é mudança comportamental?

É uma transformação dos próprios atos a partir da identificação de um comportamento improdutivo ou que provoque qualquer mal ou desconforto. O primeiro passo é, pois, procurar decifrar qual hábito está sendo nocivo na sua vida e assumir a responsabilidade por suas próprias insatisfações. Esquecer desculpas e parar de culpar os outros são medidas fundamentais para promover a mudança que você deseja na sua vida. O objetivo é mudar os padrões de ação para mudar os resultados.

Por que mudar?

Muitas pessoas identificam o que precisam mudar, mas não se sentem capazes de fazê-lo. Escuto muito coisas to tipo: “eu sei que esse ciúmes está acabando com o meu relacionamento, mas não consigo mudar” ou “jogo minha ansiedade na comida, não posso me controlar”, ou ainda “sou egoísta e afasto as pessoas de mim, mas não sei ser de outro jeito”. Alguns são tão inflexíveis que se deixam afetar pela síndrome da Gabriela: “Eu nasci assim eu cresci assim e sou mesmo assim, vou ser sempre assim”. Parece que muitos não se conscientizam do sentido evolutivo da vida: transformar-se continuamente para viver melhor e mais feliz.

Como promover essa mudança?

Esse é um passo fundamental para a sua felicidade: saia da zona de conforto, lute e dê o melhor de si para substituir hábitos negativos por positivos, seja uma pessoa proativa. Cada vez que sentir desânimo lembre-se de que está em suas mãos ter uma vida mais produtiva, um trabalho prazeroso, uma família harmoniosa e relacionamentos empáticos. É a sua vida e, portanto, você pode e deve transformá-la a fim de ser uma pessoa realizada e feliz consigo mesmo.

Como o Coaching facilita a mudança de comportamento?

Com técnicas efetivas e cientificamente comprovadas para gerenciar comportamentos, o treinamento ou Coaching tem ótimos resultados. Um coach é alguém que disponibiliza e monitora ferramentas que preparam o coachee ou cliente para o enfrentamento das dificuldades com foco nos resultados esperados. Dessa forma, a mudança comportamental acontece mais facilmente pela ação dos métodos aplicados. O Coaching ajuda você a definir onde está e aonde quer chegar.

O fato é que mudanças comportamentais são imprescindíveis para a realização de qualquer pessoa, seja na vida pessoal como na profissional e, portanto, são medidas urgentes.

Lembrando Sêneca: “Apressa-te a viver bem e pensa que cada dia é, por si só, uma vida”.

Suely Buriasco
Mediação de Conflitos e Coaching

 

Não está bom? Muda!2016-10-31T17:35:57+00:00
19 10, 2016

O que é Coaching?

2016-10-19T17:54:27+00:00

13521921_1261255263899629_2551461330464263401_nÉ um treinamento de habilidades que visa atingir um objetivo específico. Para tanto se utiliza de ferramentas que promovem a compreensão e o autoconhecimento. É uma metodologia de autorreflexão e despertamento visando a ação em direção ao que se almeja.
Informações detalhadas através do whatsapp (11) 99351-4566 ou do email sburiasco@gmail.com

O que é Coaching?2016-10-19T17:54:27+00:00
18 10, 2016

Aprendendo a Amar

2016-10-18T16:47:35+00:00

Suely Buriasco

Conta-se uma história na qual um homem procurou seu mestre e disse: “Eu não amo mais a minha esposa, o que devo fazer?” E o mestre respondeu-lhe: “Apenas a ame”. Por mais que a fórmula seja antiga, ainda temos muita dificuldade de entender. A visão romântica do amor arrebatador, extraordinário e inexprimível não condiz com a realidade e, a falta dessa compreensão causa grande sofrimento na vida de muitas pessoas. O que provoca esse turbilhão de emoções é a paixão que, diferente do amor, é efêmera e irracional. Confundir amor com paixão é extremamente perigoso.

O amor é um sentimento e, como tal, não poderia ser de fácil entendimento, no entanto, quando o compreendemos como fruto de nossas próprias escolhas, tudo muda de figura. As palavras do mestre da historia acima, cuja autor desconheço, refere-se ao amor como verbo, ou seja, como ação. No livro “Diálogos sobre a afetividade” de Ivan Capelatto encontramos a seguinte definição: “…aprendemos a amar a partir do momento em que nascemos e da maneira como vamos ser cuidados pelas pessoas que nos desejaram”. O amor pode, pois, ser aprendido e isso em qualquer tempo da existência humana.

E para os que discordam alegando que o amor é um sentimento natural, vale a reflexão: não se pode controlar os sentimentos, mas é possível controlar a reação que eles provocam. Isso muda tudo! O amor é um aprendizado que inclui atenção, cuidado e empatia, provocando amadurecimento e disposição. O amor é uma decisão das mais importantes, pois nos tira da “vida como ela é” e nos inclui ao grupo dos que arquitetam a própria vida.

Algumas das situações que comumente causam dor podem, assim, ser vistas sob uma ótica diferente:

  1. A opção por manter um relacionamento sem amor

Um relacionamento amoroso define-se pelo nome, isto é, o amor é imprescindível. Não há sentido em manter um elo que, verdadeiramente, não existe, mas é totalmente viável dedicar-se a amar o outro, o que, como já dissemos, pode ser aprendido. Claro que para tanto é preciso determinar-se a amar; a vontade é o elemento fundamental para o trabalho de reconstruir uma vida amorosa.

  1. O sofrimento por um amor não correspondido.

O amor não é algo que se possa descartar ou que termine; quem realmente amou um dia, amará sempre. No entanto esse sentimento pode se modificar através das decisões que fazemos na vida. Por mais que os românticos associem amor ao sofrimento, o real é exatamente o contrário, assim, quando o amor causa sofrimento isso precisa ser repensado. Quem ama sabe amar primeiramente a si mesmo e, portanto, entende que pode transformar esse sentimento, virar a página e reconstruir a própria vida.

A verdade é que desenvolvemos planos de ação para alcançar tudo o que desejamos e nos dedicamos a isso, mas para o amor queremos que simplesmente aconteça. Entretanto, podemos e devemos criar estratégias de comportamento que facilitem o nosso melhor desempenho amoroso, a fim de que os nossos relacionamentos sejam mais harmoniosos e felizes. O esforço vale muito a pena!

 

Aprendendo a Amar2016-10-18T16:47:35+00:00
10 10, 2016

Acorde a sua criança

2016-10-10T21:29:23+00:00

As crianças têm muito a nos ensinar, principalmente em relação à alegria que se manifesta nelas de maneira natural, sem grandes exigências. Fico imaginando o quanto nossas vidas poderiam ser menos complicadas se mantivéssemos o hábito infantil de nos alegrar pelas pequenas coisas.

Tantas preocupações, tantos compromissos e necessidades transformam, muitas vezes, o adulto em pessoas sisudas, sem tempo para desfrutar as belezas da vida. Crianças se deleitam em dias de sol quando podem brincar fora de casa; mas os dias chuvosos também têm seus encantos como assistir desenho na TV ou simplesmente olhar o efeito da chuva pela janela, sem contar que não há criança que não aprecie um bom banho de chuva! Você já observou crianças doentes em hospitais? Elas estão sofrendo, sentindo dores e desconfortos, mas basta que alguém lhes dê um motivo qualquer para sorrirem e suas faces se iluminam no prazer de uma simples brincadeira. Crianças têm ânsia por felicidade e nada as detêm nessa busca. Claro que nós adultos temos as nossas responsabilidades multiplicadas e nem sempre é fácil lidar com as situações. O que eu me pergunto é o que nos faz tão exigentes em relação à felicidade. Quando foi que deixamos de nos divertir nos dias ensolarados ou chuvosos? Quando foi que perdemos a prioridade por estar junto a nossos afetos? Quando foi que deixamos de apreciar o final de semana?

Crianças não se “pré-ocupam”; elas têm grande flexibilidade para transformar dificuldades, pois só lidam com o presente dando prioridade ao que lhes dá contentamento. Penso que se mantivéssemos essas características na vida adulta não nos inquietaríamos tanto com o futuro e nossos dias seriam menos penosos, pois, nos permitindo vivenciar os bons momentos, certamente nossas forças se intensificariam para enfrentarmos os problemas da vida.

Quem sabe uma boa sugestão para comemorarmos o “Dia das Crianças” seja deixar que nossa criança interior se manifeste? Pense bem; há quanto tempo você não ri alto e se lambuza com sorvete? Não joga bola apenas para se distrair ou simplesmente pula corda? Procure se lembrar daquela brincadeira preferida e se permita de novo, não tenha medo de parecer ridículo, você não se importava com isso, lembra?

Nada pode ser tão delicioso do que ser ingenuamente feliz, portanto, felicidades crianças!

 

Suely Buriasco
Mediação de Conflitos e Coaching

 

 

Acorde a sua criança2016-10-10T21:29:23+00:00
3 10, 2016

Como lidar com o stress corporativo

2016-10-03T20:24:50+00:00

Os primeiros estudos sobre o estresse e seus efeitos no ser humano foram feitos pelo endocrinologista austríaco Hans Selye em 1936. De lá para cá muitos outros estudos têm sido feitos e é cada vez mais alarmante o que se tem observado sobre o tema. O estresse é uma resposta fisiológica e comportamental que surge quando precisamos nos adaptar diante de pressões internas ou externas. É pois uma reação normal para o enfrentamento dos desafios, obstáculos e perigos. O grande problema é quando o estresse passa a ser um estado contínuo e a pessoa sofre uma série de consequências negativas que podem comprometer o seu desempenho tanto na vida pessoal, como profissional.

O estresse no trabalho deve ser motivo de grande preocupação para a empresa, pois o colaborador estressado gera uma série de custos desnecessários. As consequências desse desgaste se fazem sentir, principalmente, no desempenho, produtividade, motivação e criatividade dos funcionários. Um só colaborador descontente é capaz de causar grande dano no funcionamento da equipe e, consequentemente no rendimento da empresa.

Segundo estudos as principais causas do estresse corporativo são: deficiência na liderança, carga de trabalho excessiva, insatisfação profissional e o sentimento de falta de reconhecimento. O que determina o nível de estresse é a forma como a pessoa responde às exigências do dia-a-dia, e isso tem tudo a ver com as crenças e pensamentos individuais. Assim se explica o porquê das pessoas reagirem de forma diferente diante de uma mesma situação. Dessa forma, é fundamental identificar a causa do estresse e, em seguida, elaborar um plano de ação sistemático que atenda as necessidades dos colaboradores.

Um programa eficaz, ou seja, que realmente provoque mudanças no rendimento da equipe, precisa ser estruturado a partir de ações educativas, cursos e treinamentos que visem dar suporte para os colaboradores. Um trabalho que se inicie no individual e parta para o coletivo, uma busca sistemática de engajamento e motivação com a participação de todos os colaboradores, incluindo gerentes e líderes. O objetivo é transformar a cultura organizacional de forma a criar um ambiente de trabalho saudável, que estimule o desenvolvimento e valorização do capital humano.

Treinar e valorizar o ser humano no âmbito da empresa é fundamental para o seu desenvolvimento. Um dia me perguntaram: “E se eu investir em meus funcionários e eles deixarem a empresa?” Eu respondi: “Pior mesmo é se você não investir e eles ficarem”.

Suely Buriasco
Mediação Corporativa e Profissional Coach

Como lidar com o stress corporativo2016-10-03T20:24:50+00:00
26 09, 2016

Se a insatisfação é constante o problema é seu

2016-09-26T19:10:10+00:00

Claro que nem sempre estamos dispostos e é comum que haja alguma variação de humor. Afinal não é tarefa fácil manter todas as obrigações, cumprir responsabilidades e ainda lidar com dificuldades de todos os níveis tanto profissionais, como pessoais; realmente não são poucos os problemas que nos abalam. No curso normal da vida esses altos e baixos são naturais, sendo inclusive comparados com as linhas de um eletrocardiograma; a vida é representada por oscilações.

Sabe a história do copo meio cheio ou meio vazio? Um copo com água pela metade pode estar meio cheio para os olhos de alguém e, meio vazio para os olhos de outra pessoa. O copo e sua condição é a mesma, mas a ótica de quem olha é diferente. Pois é, os fatos assumem características positivas e negativas dependendo do humor de quem os encara. O problema surge quando a insatisfação é constante e em relação a tudo, quando a pessoa não enxerga o lado bom das coisas, quando é ou se torna pessimista.

Viver insatisfeito, reclamando sempre, achando tudo chato e enxergando só o lado ruim das coisas e pessoas não é um estado natural ou sadio. Se você tem sentido tamanho desânimo que os dias custam a passar e nada tem agradado você, vale a pena refletir sobre o que realmente está acontecendo e o que precisa ser feito para que a mudança aconteça. Pode ser que você não tenha se dado conta de algum distúrbio em sua saúde; disfunções hormonais comumente afetam o humor, também é preciso atenção em relação a depressão que é uma doença sorrateira. Portanto, se sua visão tem sido turva e você não vê motivo de alegria em sua vida, o problema está em você e uma visita a um médico é muito indicado.

Não se pode negar um fato consumado, mas pode-se enfrentá-lo da melhor forma possível, ou seja, com aceitação, flexibilidade e otimismo. A escolha de passar a olhar o lado bom da vida, valorizar as pessoas por suas qualidades em detrimento ao que não se gosta nelas, esforçar-se por manter bons relacionamentos, através do respeito e da empatia são fundamentais para uma vida plena, harmoniosa e feliz.

Alegria é a aceitação do que não nos compete mudar e esforço em realizar o que nos cabe.

Se a insatisfação é constante o problema é seu2016-09-26T19:10:10+00:00
12 09, 2016

Não há reta que leve ao sucesso

2021-09-27T16:12:21+00:00

Alguém procurando treinamento me perguntou se eu garantia o êxito no que ele está buscando. Isso me fez pensar no quanto é preciso esclarecer sobre o que realmente seja o sucesso e qual a sua trajetória. Como coach posso treinar habilidades do meu coachee ou cliente, posso construir com ele estratégias importantes e até definir juntos mudanças e comportamentos, mas não posso alcançar nada por ele, muito menos garantir que ele alcance. Para ter sucesso  é fundamental chamar a si a responsabilidade de ação.

As pessoas que dizem querer alcançar um objetivo se dividem em dois grupos: as que valorizam mais o obstáculo do que o caminho e as que compreendem que os obstáculos fazem parte do caminho. As primeiras perdem muito tempo em lamentações e desculpas; as segundas aproveitam o tempo para se fortalecer e transpor as dificuldades. As primeiras quase sempre desistem; as segundas tornam-se mais fortes a cada obstáculo transposto.

Gosto dessa frase do escritor francês Gustave Flaubert: “O sucesso é uma consequência e não um objetivo”. Aprender a lidar com as derrotas é também uma forma de se ter sucesso. É um processo evolutivo que não segue nenhum padrão definido, até porque cada ser é único e age a sua própria maneira. Mas é possível e muito recomendável que se busque ajuda, porque entre o querer e a realização existe muita confusão e, quase sempre, a maior dificuldade é vencer-se a si mesmo.

Acostume-se: o caminho para o sucesso não é uma reta! Algumas curvas, subidas e descidas serão necessárias e acredite, chegar será tão recompensador que o motivará para outras caminhadas, novos objetivos e realizações inéditas. Porque fracassos, perdas, ganhos e vitórias são fases de uma vida plena e edificante, ou seja, uma vida de sucesso. Então não se deixe levar pelo desânimo, encare derrotas como momentos propícios para aparar as arestas, refletir e se fortalecer para retomar na caminhada.

Dificuldades, crises, conflitos não podem servir por desculpas, pois, verdadeiramente, são oportunidades de crescimento. São os fracassos que nos preparam para a vitória e é através deles que nos tornamos aptos para as realizações que almejamos. Por isso, não se engane, esse é um trabalho que não se pode terceirizar. Para realizá-lo você pode buscar ajuda e é sábio que o faça, mas é imprescindível sua própria ação.

Suely Buriasco
Mediação de Conflitos e Coach

 

Não há reta que leve ao sucesso2021-09-27T16:12:21+00:00
6 09, 2016

A decisão antecede o sucesso

2016-09-06T13:52:27+00:00

Por Suely Buriasco

Recomenda Cora Coralina: “Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar. Porque descobri, no caminho incerto da vida, o mais importante é o decidir”.   

 Você não consegue evitar muitos dos acontecimentos que cercam o seu dia a dia, mas tem poder de decidir sobre como agir em relação a eles. Nesse sentido é que se diz que somos arquitetos de nossas próprias vidas e podemos transformá-las sempre que não estivermos satisfeitos com ela. A tomada de decisão é fundamental para direcionarmos nossas ações, sendo o primeiro passo na direção do objetivo que queremos alcançar.

O sucesso não é simples resultado das circunstâncias da vida, muito menos da sorte. Sucesso tem a ver com esforço, foco, determinação e coragem. Mas nada disso é possível sem que se desenvolva a habilidade de chegar a uma conclusão segura, uma escolha deliberada. A habilidade de decidir reflete uma personalidade segura e forte que se desenvolve através da busca de aperfeiçoamento contínuo. Pessoas que buscam autoconfiança têm maior facilidade no momento de decidir.

Como ninguém é totalmente confiante em todas as situações é preciso analisar os próprios sentimentos e o que se pode fazer para superar as dificuldades em relação ao poder de decisão. Esse é um trabalho contínuo que inclui também distinguir ponderação de indecisão. Bom lembrar que uma pessoa ponderada não decide antes de analisar com cuidado a situação, o que é bastante interessante. Diferente de uma pessoa indecisa que procrastina por medo e, muitas vezes, pede grandes oportunidades e, pior, fica se lamentando por isso.

Decidir é assumir as próprias responsabilidades em relação às consequências, entendendo que ao tomar uma posição está se sujeitando aos riscos inerentes. Por isso o poder de decisão inclui boa dose de coragem e determinação. Coragem para assumir os riscos, determinação para dar o melhor de si diante do que determinou.

Sucesso não acontece por acaso e até para ter sorte é preciso competência. Ter êxito em qualquer projeto exige muito empenho e até algum tipo de sacrifício. Sair da zona de conforto, da segurança ilusória e enfrentar todos os obstáculos sem perder o foco.

A boa notícia é que depende de você a decisão pelo sucesso!

 

 

A decisão antecede o sucesso2016-09-06T13:52:27+00:00
WhatsApp chat